Home  I  Libros Publicados  I  América Cooperativa  I  Contáctenos  
 
 
arnol encomendero davalos


ARNOLD ENCOMENDERO DÁVALOS


Ex-membro Titular do Conselho Consultivo (Junta) da ACI-Américas (1995-2009)

separador

Diretor da Revista Internacional “AMERICA COOPERATIVA”

separador

Atual Gerente Geral de COOPETROPERU com sede em Lima, Peru.

separador

Autor de cinco Livros de Pesquisa Profissional Aplicada ao Desenvolvimento das Cooperativas e Economia Social

BIBLIOGRAFIA:

BOOK Ake “Valores Cooperativos para un Mundo en Cambio”. Ed. ACI Outubro 1996

separador

Mackpherson Ian “Declaración sobre la Identidad y Principios Cooperativos”. ICA Manchester 1995.

separador

OIT “Recomendación 193 sobre Promoción de las Cooperativas” ACI AMERICAS 2002.

separador

North Douglas “Marco Institucional para el Desarrollo Económico”. Edição Apoyo, Lima, Peru 1995.

separador

Rodrígues Roberto “La Segunda Ola Cooperativa” 2001.

separador

Encomendero Arnold. “La Economía de Mercado y el Desafío de los Valores Cooperativos”. 3ª Edição Nov. 2010. Lima, Peru.

separador

MAIS INFORMAÇÕES:
Em GOOGLE: buscar em:
Arnold Encomendero Dávalos
E em: www.arnoldencomendero.com

separador

CONTATE-NOS NO E-MAIL:
:jencomendero@yahoo.es

 
 
 
 
 
 
que deben hacer los jovenes para tener una vida mejor
 
DR. ARNOLD ENCOMENDERO DÁVALOS
Para um jovem que acredita em Deus e ama a paz, não é fácil compreender porque as velhas gerações não puderam definir e aplicar as Políticas e estratégias de desenvolvimento que tiveram impedido nos deixar, até o final do Primeiro Milênio, um legado humana e social indigno, injusto e lapidário: Mil duzentos milhões de pessoas subsistem com menos de 2 dólares por dia. Oitocentos milhões sofrem de desnutrição. Cento cinquenta três milhões de meninas menores de 5 anos tem peso insuficiente. Sessenta três milhões de meninos e cento catorze milhões de crianças em idade escolar primaria ainda não têm sido ainda matriculados na escola. Onze milhões de crianças menores de 5 anos morrem por ano no mundo todo. Médio milhão de mulheres morre no mundo ao dar à luz ou devido a complicações da gravidez, uma por minuto. O HIV/AIDS está aumentando rapidamente. Dois mil quatrocentos milhões de pessoas não têm acesso a melhores serviços de saneamento. Embora disso, os países ricos ainda não têm cumprido com os compromissos assumidos de incrementar a ajuda ao desenvolvimento económico com Inclusão Social em tanto que a dívida dos países pobres, asfixiada por outra crise financeira global, cada vez é mais impagável e agora é impossível ter uma coexistência pacifica, digna de uma humanidade civilizada.

Ao respeito e preocupado pela realidade humana dos jovens, o Secretario Geral da ONU, BAN-KI-MOON, diz: “Se no 2009, o desemprego juvenil mundial atingiu um recorde anual com aproximadamente 75.8 milhões de jovens desempregados, no 2012, temos a maior geração de jovens de todos os tempos”. Pior ainda, se ressaltamos que a crise financeira global com ênfase nos Estados Unidos da América e a Eurozona com altas taxas de desemprego têm tido maior incidência nos jovens: Na Espanha e na Grécia os jovens desempregados passam o 50% e no Portugal e Itália chegou ao 30%. Esta angustiosa situação pode criar, segundo uma opinião experta uma “geração perdida” e trazer um custo humano muito alto nos próximos anos.

Como as cifras dizem mais do que as palavras, “mais de UMA de cada SEIS pessoas no mundo têm entre 15 e 24 anos, um estimado de 1,200 milhões de adolescentes e jovens são os que MENOS atenção recebe dos analistas políticos, provedores económicos e os académicos; mas um número de 880 milhões de pessoas maiores de 60 anos recebe mais atenção”. Por isso, os jovens de todos os cantos do planeta se sentem excluídos e frustrados, e exigem uma mudança no Sistema Político e económico que sejam OUVIDAS a suas legítimas aspirações de ter iguais oportunidades de trabalho. Se os Governos no poder não criam condições favoráveis para uma melhor realização juvenil, o risco de instabilidade política e social será acelerado com reiteradas protestas e conflitos sociais na medida da sua palpitante indignação.

Todos têm visto com estupor e pesar, um concerto ribombante de protestas dos Indignados da Espanha, do Wall Street, a Primavera Árabe, Yo Soy 132 do México, assim como a Caravana da Paz contra o Comercio de Armas Made in USA e a Marcha pela Paz, Chega Já de Assassinatos! do Puerto Rico. Más o certo é, que, este clima de reclamações só têm tido como resposta Reformas e Revoluções do papel ou de palavra que nunca têm sido cumpridas. São reações lógicas contra tantas lições de maldade, de violência assassina, de ideologismos retrógrados e extremistas, e, de corrupção impune. Todos estão cansados de Politiqueira demagoga e mafiosa, de irrestrita especulação financeira causante de Crise sobre Crise, de religiosidade elitista e conveniada, entre outros grandes males que configuram um legado social insano, injusto e pernicioso para as e os jovens de todos os estratos sociais do Planeta.

Somos conscientes do que o desafio dum mundo melhor é de todos. Todos aspiram a viver na paz, liberdade, justiça e vida sana. É responsabilidade do Estado e dos Governos no poder a formulação de Políticas públicas que à luz de uma melhor institucionalidade democrática, de efetivo investimento de infraestrutura e inovação tecnológica para promover o desenvolvimento em paz com emprego produtivo real, onde a produtividade seja o alfa e ômega da Competitividade responsável. Mas também é responsabilidade dos jovens, organizar-se desde o EU INTERNO para construir desde o presente um futuro melhor, com um PLANO DE VIDA claro e ordenado, despertando ao LÍDER que fica dentro a fim de ter progresso no horizonte pessoal e familiar, com deveres bem cumpridos e direitos sempre respeitados.

Perante um mundo complexo, incerto, agitado, mas muito conectado, precisamos cidadãos MENTE ABERTA E VISÃO LONGA, capazes de fazer as “cosas simples extraordinariamente bem”, com habilidades em definir cenários com LUZ PRÓPRIA e realizações práticas com resultados positivos, úteis para a família, à empresa e à Comunidade em geral.

O desafio é grande. Temos por diante a responsabilidade de achar as melhores respostas que nos levem a participar ativamente no processo social que conduza aos jovens a pôr o seu talento e todas as energias necessárias para contribuir a acordar as consciências, descobrir as iniciativas mais adequadas para convertê-las em Planos, Programas, Projetos e ações que viabilizem o desenvolvimento desde o mundo interior das pessoas, como um ato de fé e de responsabilidade social. A propósito, permitam-me, amigos, compartilhar com vocês uma rica historia feita lição com um dos meus SONHOS. Resulta que na algaravia do natal que contagiou a pobres e ricos numa miscelânea de controvérsia que fez sensível a frase PÃO PARA UNS E FOME PARA OUTROS, entre meio acordado e meio dormido, angustiado por uma ambivalência sentimental, no natal, apoderou-se da minha mente, um belo SONHO, sonho que constitui o melhor presente de natal, na toda a minha vida. Sonho que transcende o meu próprio interesse pessoal. Mas pelo respeito do que é um SONHO meu, que é de interesse a muitos outros, sobretudo a aqueles que lutam por viver num mundo em Paz, vou compartilha-lo com vocês.

“Sonhei, que todos os jovens pobres, no natal de 2004, tinham-se reunido na Basílica de São Pedro em Roma, e tinham pedido ao Santo Padre João Paulo II que faça gestões perante Deus, que só por um dia, concretamente o 29 de junho do ano 2006, apelando a sua omnisciência divina, o SOL apagar a sua luz a partir das 12 da noite desse dia e no céu só aparecer uma mensagem luminosa com as seguintes palavras: Em resposta à justa invocação dos jovens pobres do mundo pedindo-me que cesse a violência, as injustiças e as baixas paixões, todos os cidadãos do orbe, se devem comprometer responsavelmente a assinar uma AGENDA HUMANA PELA VIDA E PELA PAZ, assumindo o compromisso pessoal a cambio de acender novamente a luz do sol nesse mesmo dia. E que, no lugar onde se encontrassem, leram com voz alta durante 3 vezes ao dia, os Mandamentos da Lei de Deus, e, complementarmente durante 2 vezes nesse mesmo dia, também leram os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e as Metas definidas ao respeito, para cada país da América Latina. Cumpridas estas dois tarefas e em demonstração duma mudança de mentalidade, em defensa da vida, da dignidade humana, da propriedade, e da justiça, os jovens assumam o compromisso universal de vigiar para que todos os pobres curtam do direito de ter ao menos; PÃO, TETO E CARTILHA: ansiada trilogia humanística para sentir-se bem e viver melhor entre todos os habitantes da Terra”.

Quê belo mensagem! Exclamei, desde a profundidade do meu Ser. Mas os SONHOS SÃO SONHOS. O quê podemos fazer para que a partir deste sonho todos os jovens definam as suas necessidades mais imediatas e a sua vez concretem o Compromisso de construir desde agora e para sempre, um mundo mais justo, mais próspero e mais equitativo? Sonhos mais ação, igual, realidades extraordinárias, falou para nós o conferencista mexicano Miguel Angel Cornejo. É claro. Os sonhos precisam de realidades imediatas para que tenham sentido na vida humana. A historia da vida social está escrita com muita trama inumana, feita contra humanos por humanos. O recomendável e correto é: Sonhar; mas também atuar e transformar. Saber escutar, dialogar, discrepar, tolerar, negociar, concretar, conciliar. Só assim é possível chegar a SER, TER E COMPARTILHAR. Se os jovens aprenderam coletivamente a dialogar, tolerar, conciliar e compartilhar, o mundo seria mais humano e as novas gerações teriam melhor qualidade de vida.
 
que exigen los jovenes a los gobernantes

1.- Que os Governantes no poder cumpram com a sua palavra dada e não defraudem as expectativas dos seus eleitores, nem dos povos. Que as Políticas de Estado respondam às aspirações dos cidadãos para que vivam num clima de paz, solidariedade e equidade, e, pleno exercício democrático, em beneficio comum.

2.- Que os Programas de Governo não consigam só a estabilidade macroeconómica, mas também que apliquem uma Política Económica e social que gere oportunidades de trabalho, fomentando a Micro e pequena empresa dando-lhes financiamento e assistência técnica para que desenvolvam a sua imaginação estratégica e a sua capacidade de realização empresarial, com eficiência e eficácia. Temos que formar uma autêntica REGIÃO DE EMPREENDEDORES.

3.- Que os políticos pratiquem o Diálogo Social com sinceridade e transparência, antepondo perante tudo e entre todos, os sagrados interesses da Pátria e não do seu partido, ou grupo.

4.- Que os Empresários, trabalhadores e o Estado formulem um PACTO pelo Desenvolvimento em Paz, com leis laborais justas e equitativas, compreendendo concreta e responsavelmente que em tanto haja maior e melhor produtividade e produção de qualidade, haverá melhores remunerações e melhores condições de trabalho.

5.- Que os intelectuais criem cultura, arte e literatura, com mensagens construtivas e práticas, que formem consciências libres e lúcidas, capazes de fomentar um pensamento crítico e criativo para tornar-se logo em ações transcendentes.

6.- Que os maestros eduque com a razão, o conhecimento técnico e os valores para que a aprendizagem individual e coletiva tenha efeitos sinérgicos a causa de ensinar com a palavra e com o exemplo.

7.- Que a Igreja Católica e as Igrejas Protestantes promovam o amor a Deus não só com as ideias e ritos de celebração mas também com ações construtivas, procurando que a sua prédica e os seus gestos não confundam às crianças, jovens que estão num processo de aprendizagem e formação humana.

8.- Que os pais não usem o autoritarismo paternal ou maternal, nem o machismo nem o feminismo extremo, e desterrem do lar todo tipo de violência que lesiona a vida familiar e alimenta o caos social.

9.- Que a mídia informe e forme com a verdade. Que dediquem mais espaço à cultura, à arte e aos valores. Nada com o sensacionalismo e o escândalo, que obnubilam as relações humanas, embaçam a visão e transtornam a vida das crianças e jovens.

10.- Que as Organizações não lucrativas, como as Cooperativas, Associações e empresas sociais tenham acesso aos cargos de Direção e Liderança para os jovens, homens e mulheres, respeitando a todo nível a democracia participativa.

 
que exigen los jovenes a los gobernantes

1.- Acreditar no que a pessoa quer e faz.

2.- Sentir-se bem e dar tudo de si para que os demais sentam o mesmo.

3.- Cuidar a saúde física, mental e respeitar a saúde do próximo.

4.- Poupar na abundancia para gastar na escassez.

5.- Ser empreendedor com ideia própria ou pensada com outros, para desenhar e concretar um Projeto viável e rentável.

6.- Atuar com lealdade e transparência no lar, na escola, na faculdade e na comunidade onde moramos. A lealdade cria sinergias para uma melhor vida, em Paz!

7.- Educar-nos para Ser, até Ter e no justo, Compartilhar. Educar no trabalho para ter um trabalho digno para todos!

8.- Amar a paz e respeitar a vida, a liberdade, o bem-estar à qual têm direito os nossos semelhantes. Pacificar a vida e sentir-se bem com liberdade é o sonho dourado da humanidade que sofre!

9.- Participar nas jornadas pela paz, o desenvolvimento comunal, a gestão Cooperativa e os programas de voluntariado para fazer mais humana a vida de todos.

10.- Reclamar com moderação e altura. Saber escutar até poder fazer que sejamos escutados. Fazer do DIALOGO SOCIAL um arma de CONSENSO para o bem-estar comum.

11.- Ser úteis à sociedade na nossa profissão e oficio. Ficar no lugar dos despossuídos que têm direito de viver em paz.

12.- Fazer da solidariedade humana, um ato honesto e justo, em beneficio comum. Um com Outros. É Outro. E estando UNIDA, a VIDA, para todos, será melhor!

 

Sou consciente do que é muito difícil encontrar respostas efetivas perante a imensidade dos problemas humanos, sociais, económicos, políticos e ecológicos, hoje agitados por uma “tormenta Económica-Financeira perfeita” nas palavras de Nouriel Roubini. Mas algo ou muito tem que ser feito. Primeiramente, temos que “TORNAR-NOS MAIS HUMANOS”. “A humanidade é tudo, aparte dela, não há outra boa esperança” diz o biotecnologista francês Pierre Lacoste. Temos que reagir já!…….. A humanidade da vida assim pede-lo.

A responsabilidade é de todos. Os idosos e os adultos têm muito que ensinar. E em contrapartida, as crianças e os jovens têm muito que aprender. Mas, definitivamente, todos têm que dar e não só exigir. Não só preocupar-nos, mas ocupar-nos. Em conclusão, só na medida em que os jovens sejam bons filhos e bons irmãos, serão bons cidadãos úteis à Pátria e dignos dum futuro sorridente, melhor ainda se é feito em paz. A nossa MISSÃO é árdua embora factível. Com uma visão clara e consciente, o longe horizonte de progresso será um horizonte familiar. Nunca é tarde para empezar esta gigante e bela tarefa: “Construir um mundo mais próspero e mais equitativo".

Ao respeito, é muito ilustrativa, a mensagem prospectiva do Poeta Eduardo Galeano quando foi perguntado: “Para que serve a Utopia?”. A Utopia é como o horizonte. Fico perto DOIS passos e me afasto DOIS passos. Caminho DEZ passos e o horizonte se afasta DEZ passos mais longe. Mas, para que serve a Utopia?, preguntou-se novamente. SERVE PARA CAMINHAR: concluiu rotundamente. É certo, para conquistar o FUTURO, temos que realizar fatos transcendentes, fazendo bem as coisas simples. Por algo ou muito, JOÃO PAULO II falou: “AS UTOPIAS DE HOJE SÃO AS REALIDADES DE AMANHÔ.

O importante é começar e prosseguir. No caminho acomodaremos a carga!

 
 
 
america cooperativa
 
Editoriales
Artículos Especializados
Humor Solidario
Testimonio Fotográfico